Descolamento de placenta

O que é
É o rompimento das artérias que irrigam a placenta (onde o feto fica até o nascimento), fazendo-a se desprender da porção uterina e caracterizando uma emergência médica (costuma acontecer a partir da 20ª semana de gestação), pois há risco de parto prematuro. Já uma área de descolamento da placenta é um quadro mais comum antes de 20 semanas (ainda que também possa acontecer em idades gestacionais mais avançadas, quando a placenta se insere perto do colo do útero) e representa uma ameaça de abortamento.

Sintomas
Variam bastante, de acordo com o caso. Nas gestações mais avançadas, costuma apresentar cólica forte e contínua, sangramento (em 80% das mulheres, mas o sangue pode ficar preso ou até entrar na bolsa amniótica) e “endurecimento” do útero. Os batimentos cardíacos fetais também caem bastante.
No início de gravidez pode haver sangramento vaginal, vermelho vivo e indolor, com tônus uterino normal. Entretanto, se não existir sangramento intenso, ele pode só ser percebido na ultrassonografia. O bebê corre muito risco.

Diagnóstico
É clínico e o médico deve tomar atitude rapidamente. Quando há suspeita, a confirmação vem por meio de exame de ultrassonografia obstétrica.

Parto e continuidade
Na gravidez mais avançada, o médico pode sugerir repouso absoluto ou adiantar o parto (para evitar a morte do bebê e impedir que o organismo da mãe consuma todos os seus fatores de coagulação na tentativa de conter o sangramento). Em fetos mortos, pode-se aguardar até 4 horas para o nascimento espontâneo, dependendo da condição da mãe.

Para área de descolamento placentário sem sangramento ativo, observado o bem-estar materno e fetal, a mãe será monitorada e espera-se que o quadro melhore com o crescimento da placenta. Além disso, é indicado restringir a atividade sexual e pode haver recomendação de hormônio para melhoria do quadro.

Fatores de risco
Para descolamento da placenta os principais fatores de risco são hipertensão arterial e uso de drogas vasoconstritoras (como a cocaína). Para as áreas de descolamento, constitui-se fatores de risco a placenta se inserir em área baixa do útero, idade materna e certas doenças cromossômicas.

Voltar