clinicabessaago21
clinicabessaago21

12 superbactérias

Pela primeira vez, a Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou uma lista com as 12 bactérias resistentes a antibióticos, que oferecem a maior ameaça para a saúde humana e cujo combate deve ser priorizado.

Elas estão em toda parte e são responsáveis por cerca de 700 mil mortes todos os anos (podendo chegar a 10 milhões até 2050). Um problema que se agrava com o uso indiscriminado de antibióticos e pela pouca disposição da indústria farmacêutica em desenvolver novas drogas.

No topo, aparece a Acinetobacter baumannii, que é muito comum em solos e pode entrar no corpo através de feridas abertas, principalmente em pessoas com sistema imunológico fragilizado.

Mas, o maior risco de contaminação está presente no ambiente hospitalar. Esse micro-organismo resiliente aguenta até os antibióticos à base de carbapenema, usados como último recurso quando todos os outros tratamentos falham.

A segunda e a terceira categorias incluem bactérias causadoras de doenças mais comuns, mas que também têm se tornado progressivamente mais resistentes, como gonorreia e salmonela.

Veja abaixo a lista completa, que é dividida em três categorias, com os efeitos causados por cada uma:

Risco crítico

Acinetobacter baumannii
Pode causar infecções oportunistas — quando uma bactéria se aproveita da fragilidade do sistema imunológico de alguém que já está doente para causar ainda mais problemas nas vias respiratórias e no sistema urinário. É a maior causadora de infecções hospitalares do mundo.

Pseudomonas aeruginosa
Contamina equipamento médico, causa infecções nos rins e pulmões e ataca pacientes já internados por causa de queimaduras graves. Como a baumannii, gosta de organismos já debilitados.

Enterobacteriaceae
Esse não é o nome de uma espécie específica, mas de um grupo que inclui bichinhos já famosos como a Klebsiella pneumonia ou a Escherichia coli, que se reproduz a cada 20 minutos. Vários deles não oferecem risco ao ser humano, mas outros são responsáveis por vários tipos de intoxicação alimentar.

Risco alto

Enterococcus faecium
Pode ser inócua e habitar nosso intestino, mas também pode causar meningite em recém-nascidos.

Staphylococcus aureus
Outra frequentadora assídua do nosso corpo, ela pode causar sinusite, intoxicação alimentar e problemas dermatológicos como abcessos.

Helicobacter pylori
Câncer no estômago, úlceras duodenais e gastrite crônica estão entre os problemas já associados à presença daHelicobacter no nosso sistema digestório. Mas ela não faz nada em mais de 85% das pessoas que infecta.

Salmonella spp.
Grupo de bactérias responsáveis por intoxicações alimentares e a febre tifóide, que matou 161 mil pessoas em 2013.

Neisseria gonorrhoeae
O nome entrega a obra: é a responsável pela gonorreia, doença sexualmente transmissível tão antiga que é descrita até no Antigo Testamento da Bíblia.

Campylobacter
Causa abortos espontâneos em vacas e ovelhas. No ser humano, causa infecções oportunistas.

Risco médio

Streptococcus pneumoniae
Um dos maiores causadores de pneumonia e meningite bacteriana em crianças e idosos.

Haemophilus influenzae
Apesar do nome, ela não tem nada a ver com o vírus responsável pela gripe. Como a maior parte das bactérias da lista, também é responsável por infecções oportunistas em pessoas já debilitadas.

Shigella spp.
Parente da salmonela, é uma das quatro bactérias que mais causam diarreia em crianças da África e do Sudeste Asiático: é responsável por algo entre 80 e 165 milhões de casos da doença todos os anos.

Conhecimento é saúde! Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest