clinicabessaago21
clinicabessaago21

Câncer de Tireoide

A tireoide
É uma glândula que fica na frente do pescoço com um formato parecido com o de uma borboleta. Ela é responsável por produzir dois hormônios que participam do controle da velocidade do metabolismo e influenciam o desenvolvimento do corpo e a atividade do sistema nervoso. Hormônios tireoidianos em excesso tornam a pessoa hiperativa, nervosa, com fome e fazem com que perca peso. Hormônios tireoidianos de menos fazem com que a pessoa fique mais lenta, se sinta cansada e tenha aumento de peso.

Fatores de risco
Os fatores de risco mais comumente associados ao câncer de tireoide são:
1- sexo feminino – atinge três vezes mais as mulheres do que os homens, na faixa entre os 20 e os 65 anos;
2- radiação na região do pescoço para tratamento de certas doenças ou relacionados à profissão (quem teve grande exposição);
3- algumas síndromes genéticas e 4- história da doença ou de bócio na família.

Sintomas
– Nódulo no pescoço, que raramente cresce depressa;
– Geralmente é indolor, mas pode incomodar na parte da frente do pescoço e até irradiar para os ouvidos;
– Rouquidão ou mudança no timbre de voz que não desaparece com o tempo;
– Dificuldade para engolir;
– Dificuldade para respirar (com a sensação de que se está respirando por um canudinho);
– Tosse constante não atrelada à gripe.

A maioria dos nódulos de tiroide é benigna, mas só um exame mais detalhado pode identificar se há um câncer ou não. Quanto mais precoce o diagnóstico, maiores as chances de sucesso do tratamento.

Tipos de tumor
Os tumores de tireoide podem ser classificados em:

– carcinoma papilífero – responsável por 70%, é um tumor pouco agressivo e de evolução lenta. Na maioria das vezes, é diagnosticado num exame de rotina e reage bem ao tratamento. Quando ocorrem metástases, os gânglios linfáticos costumam ser os inicialmente afetados.

– carcinoma folicular – costuma manifestar-se depois dos 35 anos e oferece risco maior de recidivas e metástases. Nos casos mais avançados, pulmões e ossos são os órgãos prioritariamente afetados pelas células tumorais.

– carcinoma medular – é responsável por aproximadamente 5% dos casos de câncer da tireoide. Em geral, trata-se de um tumor mais agressivo, relacionado com certas síndromes genéticas e que secreta uma proteína capaz de calcificar os ossos.

– carcinoma anaplásico – corresponde a 2% dos casos de tumores da tireoide. De crescimento rápido, em pouco tempo atinge órgãos à distância, como pulmões, ossos e fígado.

Diagnóstico
Leva em conta o exame clínico de palpação da glândula e a presença de gânglios linfáticos aumentados. Entretanto, como apenas um pequeno número de nódulos é palpável, exames de imagem como a ultrassonografia, a cintilografia e a ressonância magnética são recursos úteis para o diagnóstico. O mais importante, porém, é a biopsia de aspiração com agulha fina para identificar a presença ou não de células tumorais malignas.

Tratamento
Basicamente o tratamento é cirúrgico e consiste em realizar a tireoidectomia total. A cirurgia retira a glândula tireóide e resseca gânglios linfáticos adjacentes, acometidos pelo tumor, o que se chama de esvaziamento cervical. No pós-operatório faz-se a supressão hormonal, que consiste em repor o hormônio tireoidiano com uma dose um pouco superior à necessária, com o intuito de diminuir a produção, pela hipófise, do TSH, um hormônio que estimula o crescimento do câncer de tireóide. O objetivo é deixar os níveis de TSH em um valor inferior ao nível normal.

Atenção
– Lembre-se de que o câncer de tireoide é tratável e são altos os índices de cura. Entretanto, em aproximadamente 30% dos casos, a doença pode voltar. Por isso, é fundamental manter o acompanhamento médico por toda a vida, uma vez que o sucesso do tratamento está diretamente correlacionado com o diagnóstico precoce.
– Não descuide da reposição do hormônio tiroxina que deixou de ser produzido naturalmente pela tireoide depois que a glândula foi retirada. Ele é indispensável para a regulação harmônica do metabolismo;
– Adote uma dieta equilibrada e saudável e a prática regular de exercícios físicos para ajudar a evitar o excesso de peso.

Autoexame – Cinco passos que podem salvar a sua vida
1. Segure um espelho e procure no pescoço a região logo abaixo do “pomo de Adão” (gogó). Ali está a tireoide.
2. Incline o pescoço para trás, para que o local fique mais exposto.
3. Beba um pouco de água.
4. O ato de engolir fará com que a tireoide suba e desça. Não confunda a tireoide com o pomo de Adão.
5. Observe se existe caroço ou saliência. Se houver alteração, procure um endocrinologista que é o profissional especializado no assunto.

Conhecimento é saúde! Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest