clinicabessaago21
clinicabessaago21

Constipação intestinal

O que é
Conhecida como prisão de ventre, é caracterizada pelo número reduzido de evacuações (menor do que três vezes na semana)  ou dificuldade de evacuar.

Causas
As duas mais comuns são a baixa ingestão de alimentos ricos em  fibras (como frutas, verduras e grãos) e a baixa ingestão de líquidos. Mas o  intestino preso pode ser causado também por sedentarismo, idade avançada, gravidez, doenças (como obesidade, diabetes, hipotireoidismo, cânceres, doenças neurológicas e lesões medulares)  e medicamentos (exemplo: remédios para depressão).

Sintomas
Inchaço, dor abdominal, irritação e sangramento provocado pelo esforço excessivo.

Tipos
Pode ser classificada como aguda (início recente, abrupto) ou crônica (progressiva, que existe há muito tempo).

Diagnóstico
É feito por meio de uma conversa detalhada (que investiga o estilo de vida, os hábitos alimentares, a ingestão de líquidos e de medicamentos da pessoa, bem como o hábito intestinal e doenças pré-existentes), de exame físico com avaliação da região anal e um toque retal (que permitem diagnosticar condições como fissuras  e hemorróidas) e exames complementares (como hemograma, radiografia de tórax e de abdômen; colonoscopia e outros).

Tratamento
Consiste em mudar a dieta (correção de vícios alimentares)  e o estilo de vida. O que significa  aumentar a ingestão de fibras (cerca de 30 gramas/dia) e de líquidos (2 litros diários), reduzir o consumo de agentes constipantes como café, leite, chá e álcool e incluir a prática regular de atividades físicas.
Em alguns casos, torna-se necessário também o uso de laxantes ou de cirurgia (envolve a retirada de uma parte do intestino e é indicada para os pacientes com doenças agudas como obstrução intestinal, apendicite, perfuração de tubo digestivo, doenças inflamatórias intestinais complicadas e outras).

Consequências
Se a constipação intestinal não for tratada adequadamente, pode evoluir e gerar novas e grandes complicações para o organismo a longo prazo como diverticulose, hemorróidas, fissuras anais e câncer do intestino.

Prevenção
– Alimente-se em horários regulares;
– Mastigue bem os alimentos;
– Prefira refeições mais variadas, ricas em frutas, verduras e cereais;
– Reduza a quantidade de gordura ingerida;
– Evite bebidas alcoólicas, massas, batatas, chocolate e café, além de alimentos que produzem muitos gases como brócolis, cebola, couve-flor e feijão;
– Aumente a ingestão de líquidos;
– Reserve tempo e tente programar um horário específico para evacuação;
– Obedeça, sempre que possível, a vontade de evacuar;
– Evite distrações durante a evacuação como leitura ou conversa.
– Pratique exercícios regularmente;
– Não utilize laxantes por conta própria.

Conhecimento é saúde! Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest