clinicabessaago21
clinicabessaago21

Nova gripe

O que é
Uma doença respiratória aguda causada pelo vírus influenza A (H1N1). Este novo subtipo do vírus da influenza, assim como a gripe comum, é transmitido de pessoa a pessoa principalmente por meio de tosse ou espirro e de contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas.

Sintomas
São parecidos com os da gripe comum e incluem febre acima de 38°C, tosse, coriza e dores de garganta, de cabeça ou pelo corpo. Eles aparecem no período de 3 a 7 dias após contato com esse novo subtipo do vírus e a transmissão ocorre, principalmente, em locais fechados. O Ministério orienta a população que, ao sentir os sintomas, procure o serviço de saúde mais próximo, para avaliação de um médico.

Nova gripe x gripe comum
Na gripe comum, a maioria dos casos apresenta quadro clínico leve e quase 100% evoluem para cura. A letalidade média no mundo é 0,4% e a quase totalidade dos óbitos é de idosos e crianças ou resultam de alguma complicação clínica prévia: pacientes com problemas respiratórios, cardíacos, renais, metabólicos, ou doenças como câncer e aids.
Na nova gripe, esse quadro se mantém. A letalidade média observada até o momento no mundo também é 0,4%. E segundo relatos dos países à Organização Mundial da Saúde (OMS), a maioria dos casos confirmados tem sintomas leves a moderados, evoluindo para cura.

Diagnóstico
Se os sintomas forem leves, o médico fará as recomendações necessárias para isolamento domiciliar, período de afastamento de trabalho e vai prescrever o tratamento dos sintomas. Nesses casos, não será feita confirmação por exame laboratorial (amostra respiratória coletada nos quatro ou cinco primeiros dias da doença, quando a pessoa infectada espalha vírus). Se o quadro clínico inspirar cuidados ou for grave, indicando necessidade de internação, o paciente será encaminhado para um dos 68 hospitais de referência. A confirmação por exame laboratorial se dará apenas em pessoas vulneráveis, casos graves ou em amostras (no caso de surtos localizados).

Tratamento
O Ministério da Saúde adotou um protocolo para tratamento com utilização de um medicamento antiviral (fosfato de oseltamivir). O remédio é indicado para ser tomado até 48 horas a partir do início dos sintomas. ALERTA: Ninguém deve tomar o medicamento sem indicação médica, pois a automedicação pode mascarar sintomas, retardar o diagnóstico e até causar resistência ao vírus.

Vacina
Não existe vacina contra esse novo subtipo de vírus da influenza. Há pesquisas em andamento, mas ainda não há previsão para o desenvolvimento desta vacina.

Prevenção
• Lavar as mãos com água e sabão (depois de tossir ou espirrar; depois de usar o banheiro, antes de comer, antes de tocar os olhos, boca e nariz).
• Evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies.
• Usar lenço de papel descartável.
• Proteger com lenços a boca e nariz ao tossir ou espirrar.
• Orientar para que o doente evite sair de casa enquanto estiver em período de transmissão da doença (até 5 cinco dias após o início dos sintomas).
• Evitar aglomerações e ambientes fechados (deve-se manter os ambientes ventilados). É importante que o ambiente doméstico seja arejado e receba a luz solar, pois estas medidas ajudam a eliminar os possíveis agentes das infecções respiratórias.
• Restrição do ambiente de trabalho para evitar disseminação.
• Hábitos saudáveis, como alimentação balanceada, ingestão de líquidos e atividade física.

Conhecimento é saúde! Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest