clinicabessaago21
clinicabessaago21

Dê adeus as varizes

As varizes atormentam um grande número de mulheres e uma parcela de homens também. Se você já está preocupada em vestir um short ou uma minissaia no verão que se aproxima, saiba que ainda dá tempo de dar fim a este mal e deixar suas pernas lindas. Isto porque há técnicas seguras e eficazes com grandes oportunidades de acabar com o problema. Confira:

Escleroterapia ou escleroterapia com aplicação de espuma densa: o médico faz aplicações de medicamentos esclerosantes (glicose/polidocanol e ar) nas veias prejudicadas através de microagulhas. Após as sessões (feitas no próprio consultório), pode-se ter vida normal.

Laser Endovenoso: o alvo são as veias de calibre maior, principalmente a safena. Um tipo de cateter é introduzido no vaso e, só então, o laser é disparado. O recurso é uma alternativa à intervenção cirúrgica. A recuperação é mais rápida (em um ou dois dias já é possível voltar as atividades normais) e há a diminuição significativa de dor e hematomas.

Microcirurgia: pode ser feita no hospital ou na clínica com o uso de anestesia local. As microvarizes são retiradas com pequenas incisões feitas com o auxílio de microganchos. É necessário um período de repouso não prolongado, usualmente de três a quatro dias.

Cirurgia convencional: consiste na retirada das safenas doentes (similares às raízes das árvores) e no tratamento dos “troncos” (ramos colaterais) e “galhos” (microvarizes). Indicada para portadores de varizes de médio e grosso calibres – a necessidade ou não de internação vai depender da extensão do procedimento e a alta pode ocorrer no mesmo dia ou 24 horas após o procedimento. O repouso é mais prolongado, de sete a 30 dias.

Radiofrequência: um cateter fino é colocado na veia safena comprometida, através de uma pequena abertura na pele. Essa “agulha” é acionada pela energia de radiofrequência que eleva a temperatura das paredes da veia e a fecha. Cada sessão tem 45 minutos de duração geral é, em geral, é indicada para pacientes com varizes graves, em que a doença forma feridas e pode levar a sequelas importantes como alterações na pele, nas articulações e até trombose.

Conhecimento é saúde! Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest