clinicabessaago21
clinicabessaago21

Escleroterapia

O que é
É um tratamento destinado à eliminação dos vasinhos (minúsculas ramificações, de coloração avermelhada). Em geral, eles são assintomáticos e provocam apenas desconforto estético. A escleroterapia consiste em injetar substâncias esclerosantes nas veias prejudicadas para provocar uma alteração na célula do vasinho fazendo com que ele desapareça, uma vez que é impossível retirá-los cirurgicamente.

Métodos

Escleroterapia convencional
Injeção de substância esclerosante de acordo com o calibre, a extensão e a localização dos microvasos. O tratamento é feito em vasos muito pequenos, em sessões que duram cerca de 20 minutos, sendo necessária pequena compressão local com fita hipoalergênica ou ataduras elásticas. Apesar do método ter padrões de resposta individuais, em geral, não limita o paciente de suas atividades profissionais ou esportivas. Há apenas restrição de exposição prolongada ao sol nas primeiras 48 a 72 horas.

Escleroterapia guiada por fleboscopia
Utilizada para facilitar a identificação de veias presentes sob a pele. Consiste na emissão de feixes de luz no tecido subcutâneo que são absorvidos pelas veias tornando-as mais escuras e de fácil visualização. É interessante para abordagem de veias nutridoras das microvarizes, que muitas vezes não são visíveis, mas que são responsáveis pelo aparecimento e manutenção dos microvasos. A escleroterapia guiada por fleboscopia permite o tratamento de maiores extensões de pele, com rapidez e segurança.

Crioscleroterapia
O medicamento esclerosante que será injetado é resfriado a temperaturas muito baixas (aproximadamente 40 graus negativos). As vantagens desse método são: a redução da sensibilidade dolorosa, a redução do número de sessões necessárias para eliminar todos os vasinhos (resultado mais rápido) e a menor probabilidade de hematomas locais. As sessões duram de 20 a 30 minutos e não há restrições às atividades físicas e à exposição ao sol.

Escleroterapia com Laser
Trata-se do disparo do laser através da pele promovendo a destruição da varize pela dissipação de calor intenso, localizado e seletivo (fototermólise). É pouco invasivo (não usa agulhas), desprovido de reações alérgicas (não há injeção de medicamentos) e causa menor reação inflamatória cutânea e menor risco de manchas hipercrômicas (escuras) na pele. O laser não substitui o método convencional, ele é complementar e geralmente promove rápidos e bons resultados estéticos.

Vasos esclerosados x número de sessões
É possível esclerosar um número relativamente grande porque o tratamento é quase indolor e dispensa anestesia. O ideal é estabelecer sessões semanais e realizar as aplicações respeitando o grau de tolerância de cada paciente.

Dr. Carlos Bessa – CRM 52.356
Especialista em cirurgia vascular periférica pela Sociedade Brasileira de
Angiologia e pela Associação Médica Brasileira e especialista em cirurgia vascular pelo Conselho Federal de Medicina com pós-graduação
 em cirurgia endovascular pela Santa Casa de São Paulo.

Conhecimento é saúde! Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest