clinicabessaago21
clinicabessaago21

Isquemia cerebral

O que é 
As carótidas são as principais artérias que levam o sangue ao cérebro. Cada indivíduo tem duas. Saem do tórax (arco aórtico), passam através do pescoço – uma de cada lado – até alcançar o crânio. Quando obstruídas ou estreitadas podem causar isquemia cerebral, um dos tipos de Acidente Vascular Cerebral (AVC). Manifesta-se em vários graus, desde uma leve e passageira alteração visual até uma completa hemiplegia (paralisia de uma metade do corpo) ou mesmo morte.

Causas
Ela ocorre quando há uma interrupção ou deficiência da circulação de sangue por arteriosclerose – espessamento e endurecimento da parede arterial – ou por um coágulo proveniente do coração.

Sintomas
Os mais comuns são perda de força ou dormência em um membro ou na metade do corpo, dificuldade ou impossibilidade de falar, perda de parte da visão, visão dupla e dor de cabeça muito forte. As obstruções carotídeas podem não causar nenhum sintoma durante muitos anos e aparecerem de repente.

Fatores de Risco
Pressão arterial alta, diabetes, tabagismo, sedentarismo e abuso de álcool. Tudo isso favorece a formação de placas e coágulos no sangue.

Diagnóstico
Na maioria dos casos é detectada pelo exame clínico em razão de seus sintomas e sinais. Também pode ser diagnosticada por meio de uma moderna ultra-sonografia, chamada de duplex-scan, que localiza e mede os diferentes graus de obstrução.

Tratamento
É feito com remédios que dissolvem o coágulo ou diminuem a obstrução. Porém, os medicamentos devem ser ingeridos, principalmente, nas primeiras três horas após o aparecimento do problema.

Seqüelas
A doença pode paralisar um lado do corpo, prejudicar a fala ou afetar a visão. Esses efeitos serão temporários ou permanentes, dependendo da recuperação, ou seja, quanto mais rápido a isquemia for identificada e eliminada, maior a chance de não ficarem seqüelas.

Prevenção
É fundamental controlar a pressão arterial, o diabetes e o aumento do colesterol no sangue, bem como praticar atividades físicas, evitar a obesidade e fazer avaliação periódica com um vascular.

Dr.Carlos Bessa – CRM 52.356
Especialista em cirurgia vascular periférica pela Sociedade Brasileira de Angiologia e pela Associação Médica Brasileira e especialista em cirurgia vascular pelo Conselho Federal de Medicina com pós-graduação em cirurgia endovascular pela Santa Casa de São Paulo.

Conhecimento é saúde! Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest